August 25, 2015 | Posted in:Artigos & Opiniões

Barack_Obama_at_NH

Em dezembro do ano passado a revista Courrier Internacional (Portugal) reuniu um conjunto de artigos de publicações estrangeiras sobre o período de governação de Barack Obama. A conclusão ficou vincada na capa em que o primeiro presidente negro da história da América aparecia cabisbaixo. “A última oportunidade” era o título da publicação e deixava evidente os degraus que Obama deixou de subir.

Num dos artigos traduzidos para a revista portuguesa dizia-se que “Obama pensava poder transformar a política e a sociedade americanas, mas pode não vir a ser lembrado como um grande chefe de estado”. Quando colocado ao lado de outros chefes de estado, pensava-se que podia chegar ao nível de figuras como Kennedy ou Roosevelt, mas o Washington Post não perdoava: “Obama caiu tão baixo que os jornalistas se perguntam se Jimmy Carter não seria um paralelo mais adequado”.

A verdade é que teve que governar um país debaixo de uma crise financeira sem precedentes, foi manietado por um congresso caprichoso e não podemos esquecer que o legado deixado pelo antecessor George W. Bush era desastroso.

Barack Obama conseguiu dar a volta por cima depois de se ver ultrapassado, enquanto potência económica, pela China. O gás de xisto deu um novo impulso à energia global e, de certa forma, deixou alguns dos países mais corruptos – e mais dependentes do petróleo – a fazer contas de cabeça e a mostrar ao mundo que quando o dinheiro falta é como quando se zangam as comadres: sabem-se as verdades e o povo revolta-se.

Pode dizer-se que o gás de xisto não foi feito de Obama. Até pode ter sido de Deus, mas ocorreu no seu mandato e, quer queiramos, quer não, mostrou ao mundo a pujança dos EUA e o seu domínio sobre a energia.

Mais recentemente Obama conseguiu, finalmente, os pins na lapela de que precisava para não voltar a ser comparado com os presidentes mais medíocres da história da América.

Este foi o homem que – aqui sim, sem rodriguinhos – tornou possível o hastear de uma bandeira dos Estados Unidos na capital de um dos seus mais hostis adversários: Havana.

Obama também encabeçou a vontade de mudar no casamento entre pessoas do mesmo sexo que agora já é permitido nos Estados Unidos. Tardou, mas foi!

O acordo nuclear ainda é embrionário, mas foi um passo histórico num mundo onde muitas vezes nem dialogar é possível.

Ficou a faltar Guantanamo. Façamos figas para que a intenção do presidente siga para bom porto. De facto, é de boas intenções que o inferno está cheio, mas se as intenções de Obama forem como as de Bush…

Diogo Pereira 

 

Diogo Pereira

Sócio da Secção de Defesa dos Direitos Humanos da AAC desde 2013

Be the first to comment.

Leave a Reply

*



You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>